• Albufeira
  • Alfragide
  • Almada
  • Amadora
  • Aveiro
  • Braga
  • Coimbra
  • Gaia
  • Gondomar
  • Leiria
  • Loulé
  • Maia
  • Matosinhos
  • Sintra
  • Torres Vedras
A minha loja

Selecione a sua loja e descubra a disponibilidade dos produtos.

  • Albufeira
  • Alfragide
  • Almada
  • Amadora
  • Aveiro
  • Braga
  • Coimbra
  • Gaia
  • Gondomar
  • Leiria
  • Loulé
  • Maia
  • Matosinhos
  • Sintra
  • Torres Vedras
0 0,00€
0,00

Como escolher pincéis e rolos



01. Introdução 

As boas ferramentas fazem o bom pintor! A primeira pergunta a fazer é a principal chave para o sucesso: é necessário escolher o tipo de pincel ou rolo consoante a tinta e a superfície a pintar.

          - Rolos ou pincéis (Passo 2)
          - Rolos: usos (Passo 3)
          - Pincéis: usos (Passo 4)
          - Manutenção (Passo 5)

02. Rolos ou pincéis 

                                                 

O rolo é a ferramenta adequada para grandes superfícies como as paredes e tetos, porque cobre rapidamente grandes lanços.
Modelos mais pequenos como os mini rolos são ideais para portas, janelas, rodapés...
Escolhe-se um rolo em função dos pelos que devem ser adequados ao tipo de revestimento.

O comprimento dos pelos desempenha um papel essencial
A regra a ter em conta é simples: pelos curtos para as superfícies lisas e pelos compridos para as superfícies rugosas.

Há três fatores a considerar durante a escolha de um pincel.

           - Tipo de cerdas: forma e dimensões. Um pincel de qualidade deve ter uma grande densidade de pelos, tanto à volta como no centro. A forma e as dimensões dependem do suporte a pintar.
           - Exigência na qualidade. De má qualidade, correm o risco de perder os seus pelos no suporte ou deixar marcas. As novas gerações de cerdas sintéticas permitem melhorar consideravelmente o resultado das tintas.

03. Rolos: usos 

                                                    

A escolha de um rolo depende de vários elementos.

          - Tipo de suporte (solo, fachada, parede, teto, madeira...).
          - Tipo de tinta (cola, reboco, acrílica, verniz, lasure, glicerol...).
          - Resultado final desejado.

Antes de mais, ter em mente que os rolos em espuma e em fibra de poliamida são principalmente utilizados para as tintas com água ou vinílicas.
Enquanto as tintas à base de solventes requerem rolos de fibras ou de veludo para obter efeitos mais extensos, tipo laca.
O aspeto acetinado, mate ou brilhante entra também em conta na escolha do rolo.
Para terminar, existem rolos especiais para os tetos, os móveis e o pavimento.

Tintas e rolos

           - Tintas mates e acetinadas (principalmente vinílicas): o rolo em espuma convém a todos os trabalhos de pintura.
Quanto mais fina é a superfície, mais preciso é o resultado.
           - Verniz ou laca: o rolo para laca com pelos semicompridos para tinta à base de solvente.
Preferir um rolo flocado para as bases aquosas.
           - Tinta à base de solvente ou acetinada: o rolo de fibras é adequado. O rolo de lã mohair não deixa qualquer marca.
Um comprimento reduzido das fibras é indicado para uma aplicação sobre uma grande superfície.
           - Tinta para teto: o rolo "antigotas" de fibra poliamida. Em 12 mm para tinta bicamada ou em 10 mm para tinta monocamada.
           - Rebocos de fachada: o rolo com pelos compridos.
           - Rebocos decorativos: o rolo de picos.
           - Para criar "movimentos-efeitos": o rolo de efeitos possui uma estrutura especial que permite criar movimentos na tinta.

Recomendações

           - O rolo de fibra poliamida é o melhor. Para obter um bom resultado, convém saber que quanto mais bruta for a superfície a pintar, mais grossa deve ser a fibra
           - O minirrolo com um cabo curvo permite aceder às superfícies difíceis como a parte traseira dos radiadores.
           - Para pintar madeiras (caixilhos, rodapés, molduras...), o minirrolo de fibra poliamida é mais rápido do que um pincel (diâmetro 60 a 110 mm).
           - Os cabos de alumínio são mais leves e portanto menos cansativos do que um cabo em aço.

04. Pincéis: usos 

                                      

Função da superfície a pintar

         - Trincha retangular ou plana: com pelos compridos que podem absorver grandes quantidades de tinta.
Existe em várias espessuras, a escolher em função do trabalho a efetuar.
Em interior como em exterior, para as grandes superfícies.
         - Pincel redondo ou para contornos: para os trabalhos de precisão. É utilizado para pintar os ângulos, as janelas e as molduras...
         - Pincel para estêncil: redondo e fino, permite uma maior precisão.
         - Pincel para estampar: pincel especial que permite aplicar a tinta por tamponamento.
Obtém-se um acabamento que parece manchado ao perto e uniforme ao longe.
         - Pincel para acabamentos: Utiliza-se para trabalhos precisos.
Os pelos são cortados em bisel e permitem traçar linhas direitas.

Recomendações

          - Um pincel de boa qualidade possui uma grande densidade de pelos.
Permite portanto uma melhor aplicação da tinta ou do verniz, deixa menos marcas e durará mais tempo.
          - Os pincéis de cerdas naturais são ideais para os revestimentos à base de solventes, porque são muito resistentes a esse tipo de base.
          - Os pincéis de cerdas sintéticas, que não absorvem a água, são ideais para o uso de tintas acrílicas.

05. Manutenção 

                                        

Manutenção dos rolos

          - Os rolos para tintas acrílicas podem ser lavados com água.
Lavá-los em profundidade porque a tinta pode incrustar-se até ao cabo.
          - Os rolos com tinta à base de solvente podem ser deitados ao lixo após utilização porque são difíceis de limpar ou então necessitam de White Spirit.
          - A pintura de uma divisão podendo demorar vários dias, não é necessário lavar o rolo no final do dia.
          - Basta acondicioná-lo num saco plástico para manter a sua maleabilidade durante aproximadamente dois dias.
          - Se o trabalho se prolongar durante vários dias, comprar vários exemplares do mesmo rolo para evitar qualquer surpresa desagradável.