Escolha a sua loja

Para continuar a navegar no nosso site por favor escolha a sua loja de preferência

Escolher

FAÇA VOCÊ MESMO

Como verificar a sua instalação elétrica

1. Verificação do quadro

O interruptor geral do quadro elétrico serve para proteger as pessoas que vivem na habitação bem como o conjunto da instalação. Daí a importância de assegurar-se do seu correto funcionamento. 

Para o comprovar, dispõe de um botão de teste que deve acionar de vez em quando. Ao desligar esse botão, a alavanca salta e cria uma derivação, isto é, interrompe a passagem da corrente elétrica até à reposição da alavanca. Se não for o caso, ou se o mesmo suceder com algum dos restantes interruptores diferenciais do quadro, que também são dotados do mesmo sistema de verificação, é necessário contactar um instalador autorizado para resolver o problema.

Se a instalação não for muito antiga, esta deve ter um limitador de potência, que é outro interruptor situado fora do quadro (por vezes também fora da casa, se se tratar de um edifício com uma sala de contadores). Se o limitador de potência saltar de vez em quando não é perigoso, no entanto, se ocorrer com frequência, deverá provavelmente contratar mais potência junto do fornecedor de eletricidade. Se ocorrer apenas algumas vezes, deve evitar a utilização em simultâneo de alguns eletrodomésticos em que os consumos somados ultrapassam a potência contratada. Outra possibilidade é que se trate de um acontecimento casual devido à coincidência do arranque em simultâneo de vários motores, gerando nesse momento um consumo mais elevado do que o habitual.

2. Tomadas, cabos e interruptores

É indispensável verificar regularmente o estado das tomadas e dos interruptores da habitação. Se estiverem ligeiramente fora da parede, danificados ou quebrados, o melhor e mais prático é substitui-los por uns novos. Outro sistema simples e eficaz para evitar os maus contactos é abrir de vez em quando os interruptores e as tomadas para ajustar os parafusos de contacto. O mesmo deve ser feito com os contactos dos casquilhos dos apliques e dos candeeiros de teto.

Quando uma tomada antiga deve ser substituída, é o momento ideal para substitui-la por uma nova com ligação à terra e, se for possível, realizar a ligação ao cabo condutor correspondente. Este cabo é identificável através das suas cores verde e amarelo. Se não existir, terá que tirar um do quadro elétrico fazendo-o passar pelo tubo do circuito.

A ligação à terra é obrigatória para poder ligar qualquer eletrodoméstico com estrutura metálica que não tenha um isolamento elétrico duplo: frigorífico, forno, máquina de lavar e secar roupa... Nas instalações recentes, a ligação à terra é obrigatória para todos os circuitos, incluindo os de iluminação.

 

Também é importante a utilização de tomadas com obturadores ou tampas de proteção especial para crianças. Os obturadores são válvulas que tampam os orifícios da tomada que ficam livres quando empurrados em simultâneo pelos pinos da ficha. Este mecanismo permite evitar a introdução dos dedos ou de objetos nos orifícios pelas crianças.

3. Casa de banho

Algumas divisões da casa, como os quartos de banho, requerem precauções especiais. A maior parte dos aspetos são exigidos pelas normas no momento da sua construção e só devem ser tidos em conta no momento de restaurar uma casa de banho antiga. Este é o caso da conexão equipotencial entre todos os condutores metálicos, que é uma simples instalação de cabo, com uma ligação à terra, que estabiliza a tensão elétrica entre eles. Trata-se de uma boa precaução adicional quando estamos em contacto com as torneiras ou os tubos da casa de banho.

 

Segundo o RETB, o Volume 0 corresponde ao espaço da banheira ou do duche onde não é permitido qualquer instalação, com exceção dos equipamentos especificamente homologados, como as banheiras de hidromassagem. Daí para cima, até 2,25 m de altura, estabelece-se o Volume 1. Neste volume não pode haver nenhum dispositivo elétrico, exceto os interruptores de muito baixa tensão (12 V em corrente alternada ou 30 V em contínua), mas não podem ter nessa área a sua fonte de alimentação. Também são admitidos os aparelhos especificamente homologados como os esquentadores ou os aparelhos de hidromassagem, protegidos por um diferencial não superior a 30 mA.

Volume 2 que inclui um perímetro de 60 cm à volta da banheira ou da base do duche e até 2.25 m de altura, admite a colocação de bases de carregamento de pequenos eletrodomésticos (máquina de barbear, depiladoras, escovas de dente elétricas...). Neste volume já podem ser instalados elementos como lâmpadas ou aquecedores, mas não pode haver tomadas e a instalação à qual os equipamentos estão ligados deve ter a proteção de um diferencial não superior a 30 mA.  

Por fim, no Volume 3, que representa o espaço restante da casa de banho, podem ser instaladas as tomadas, sempre protegidas com um diferencial com as mesmas características. Todas as instalações do quarto de banho devem ter uma ligação à terra e deve ser evitado a utilização de casquilhos metálicos para as lâmpadas ou, de modo geral, qualquer mecanismo sensível à humidade. Se não for possível ter uma ligação à terra, as instalações deverão ser protegidas com um transformador de isolamento ou utilizar mecanismos de MBTS (que se alimentam com uma corrente de baixa tensão).

Sempre que se disponha de uma espaço atelier na habitação, onde são utilizadas máquinas elétricas para bricolagem e onde estão armazenados alguns eletrodomésticos (congeladores, caldeiras elétricas, etc.) é indispensável instalar um quadro independente com os seus próprios interruptores diferenciais e com um interruptor geral de corte situado logo na entrada.

4. Segurança

Qualquer intervenção na instalação elétrica, por pouca importância que possa ter, deve cumprir as regras básicas de segurança.

Como regra geral para todos os trabalhos de cablagem e ligação, é indispensável usar uma chave de fendas com cabo isolante e ferramentas com duplo isolamento.

Além disso, antes de começar a trabalhar, é necessário desligar o interruptor geral do quadro ou, pelo menos, o diferencial correspondendo ao circuito no qual se está a trabalhar. Se optar pela segunda opção, é necessário ter os circuitos perfeitamente identificados ou utilizar um busca-pólos.

O busca-pólos permite saber a qualquer momento se o cabo no qual estamos a trabalhar tem ou não corrente. Trata-se de uma chave de fendas de eletricista que possui uma lâmpada que acende ao entrar em contacto com uma tomada alimentada ou um cabo de fase. 

Outra ferramenta bastante útil para trabalhar numa instalação elétrica é o multímetro. Dotado de um seletor, permite tomar medidas de diferentes magnitudes.

Assim, ao estar colocado na posição “voltímetro”, serve para obter a medida da tensão do circuito e permite detetar as fases.

Na posição “amperímetro”, e ligando os seus terminais em série, serve para medir a intensidade da corrente, o que é muito útil para verificar, por exemplo, a potência acumulada dos aparelhos ligados a um mesmo circuito. 

Também pode ser usado para medir a resistência de um circuito, dos fusíveis ou o valor da tomada de terra principal (na posição "Ohmímetro").

 

Escolher Loja

Para continuar a navegar no nosso site
por favor escolha a sua loja de preferência

Usar a minha localização actual
ou